No âmbito do Mês da Juventude, o Banco de Voluntariado da Fundação Eugénio de Almeida em colaboração com o Instituto Português da Juventude, promovem um encontro para jovens dos diferentes estabelecimentos de ensino secundário, profissional e universitário da cidade, para uma apresentação sobre o voluntariado, oportunidades e benefícios da sua prática.
 

Em 12.03.2015

O prazo de candidaturas foi prorrogado até: 09.03.2015 (12h Bruxelas)

Em 09.03.2015

9 de março - Dia da Escola Superior de Enfermagem São João de Deus

 

Em 09.03.2015
29 de março de 2015

Os Estudantes, que no dia da realização das Eleições, 29 de março, estejam impedidos de se deslocar à Assembleia de Voto por se encontrarem a estudar fora da Região, podem requerer a sua vontade de exercer antecipadamente o direito de sufrágio.

Consórcio do Mar e das Energias Renováveis (outCOME)

Candidaturas abertas até 2 de abril de 2015

O Governo da República da China (Taiwan) pretende atribuir uma Bolsa de Estudo a um estudante português que esteja a fazer o Mestrado ou Doutoramento em Taiwan, numa das 66 universidades que apoiam esta bolsa.

De 02.02.2015 a 30.04.2015

O Governo da República da China (Taiwan) pretende atribuir quatro bolsas de estudo, de 6 a 12 meses cada, a estudantes portugueses que esteja interessados em aprender Mandarim em Taiwan.

De 01.02.2015 a 30.04.2015
Jan.02.2015 / Mar.31.2015
Requerer o Estatuto de Trabalhador-Estudante (Para o semestre par)
Mai.04.2015 / Mai.15.2015
1.º Ciclo e Mestrado Integrado - Inscrição em melhoria de nota - Unidades curriculares com aprovação em ano letivo anterior (Semestre par) - Cursos iniciados em Setembro
Jun.08.2015 / Jul.04.2015
Exames de Melhoria de Nota (Semestre par)
Jun.08.2015 / Jul.04.2015
Exames de Recurso (Semestre par)
Jun.08.2015 / Jul.04.2015
Exames de época normal (Semestre par)
Ago.15.2015 / Ago.23.2015
1.º Ciclo e Mestrado Integrado - Inscrições na época especial (Cursos iniciados em Setembro)

Apresentação

Nome: Princípios e Métodos de Bioquímica e Bioinorgânica
Código: QUI0359
8 ECTS
Duração: 15 semanas/208 horas
Área Científica: Bioquímica

Objectivos

Informação disponível do ano letivo 2014/2015

Objetivos e Competências:

O objetivo geral desta Unidade Curricular é dotar os alunos de um conjunto de conhecimentos no domínio da Bioquímica e da Bioinorgânica.

Especificamente, pretende-se que os alunos adquiram conhecimentos que lhes permitam descrever a estrutura e função das principais biomoléculas, conhecer os métodos e técnicas para a sua quantificação, avaliar a sua importância para os seres vivos e compreender o papel dos elementos inorgânicos na química da vida.

Os alunos deverão aplicar corretamente os conceitos, princípios científicos, métodos e procedimentos bioquímicos para a compreensão de aspetos relevantes, designadamente, composição e energética das células e organismos, biossíntese e características das biomoléculas, bem como a aplicação dos conhecimentos adquiridos a situações novas com relevância nesta ou outra área científicas.

Esta Unidade Curricular pretende desenvolver um conjunto de competências interpessoais, instrumentais e sistemáticas, incluindo competências para recolher, selecionar e interpretar informação científica relevante no domínio dos conhecimentos em Bioquímica e sua aplicação a novas situações na sua área de formação e áreas afins que lhes permita identificar e interpretar os conteúdos lecionados, discutir sobre as suas implicações e comunicar ideias e conhecimentos científicos, sob forma oral e escrita, organizadas de modo coerente e lógico sobre assuntos do âmbito da disciplina.

Programa

Informação disponível do ano letivo 2014/2015

Conteúdos Programáticos:

 

I - Parte Teórica:

Introdução. Os objetivos da bioquímica e a sua correlação com as outras ciências. Breve história da evolução da Bioquímica. A célula e os seus componentes bioquímicos. Métodos e Técnicas utilizadas em Bioquímica. Os novos desafios da Bioquímica

Os organismos vivos. A estrutura das células procariotas. A estrutura das células eucariotas. Estruturas e funções celulares dos principais organitos. As principais características dos seres vivos. As biomoléculas e os elementos que as constituem.

A água e os iões inorgânicos nos biossistemas. Principais iões inorgânicos presentes nos seres vivos. Propriedades físicas e químicas da água. A água como solvente. Solvatação e hidratação. Efeito da temperatura e da pressão na capacidade de solubilização da água. Funções biológicas da água. Fenómenos de osmose e pressão osmótica. Auto ionização da água. Kw e pKw. pKa, pKb, pH e pOH. A importância do pH nos sistemas biológicos. Regulação do pH celular e soluções tampão. Principais fluidos biológicos.

Características funcionais das biomoléculas. A cadeia carbonada e os principais grupos funcionais das biomoléculas. Ligações que intervêm nas estruturas tridimensional das biomoléculas. Classificação das biomoléculas. Processos e reações bioquímicas nos seres vivos.

Glúcidos. As Oses. Estrutura e classificação das oses. Estereoisomeria. Enantiómeros: série D e série L. Nomenclatura e propriedades das oses. Propriedades químicas: esterificação, oxidação, reacção com os ácidos concentrados, reacção com a fenilhidrazina. Formação de acetais e estrutura cíclica das oses. Os Ósidos. Estrutura e classificação dos ósidos: holósidos e heterósidos. Maltose, lactose e sacarose. Amido e glicogénio, celulose e quitina, ácidos siálicos e outros.

Aminoácidos. Estrutura e classificação dos a-aminoácidos. Principais propriedades físicas dos aminoácidos. Isomeria óptica. Principais propriedades químicas: ionização em solução aquosa, reacções do grupo carboxilo e amino, desaminção enzimática e por acção do ácido nítrico, reacções devidas à presença do grupo amino em posição a do grupo carboxilo, reacções devidas às cadeias laterais. Titulação de aminoácidos. Ponto isoeléctrico. Efeito tampão.

Péptidos. Classificação e nomenclatura. Alguns péptidos com importância biológica, glutationo e hormonas peptídicas. Composição em aminoácidos. Hidrólise das cadeias peptídicas. Determinação dos aminoácidos terminais e estudo da sequencia dos aminoácidos na cadeia peptídica.

Proteínas. Classificação: quanto à forma, solubilidade e composição. Propriedades químicas das proteínas: carácter anfotérico e reações características. Massas moleculares das proteínas e sua determinação. Solubilidade em água. A constante de solubilidade (Ks). Teoria de Debye-Huckel da interação iónica. Força iónica de uma solução. Propriedades físicas das soluções de proteínas: óticas, osmóticas, viscosidade, sedimentação. Fatores que influenciam as propriedades das proteínas. Desnaturação e solubilidade. Influência dos eletrólitos, do pH, da temperatura e dos solventes. Aplicações analíticas. Estrutura tridimensional das proteínas: arranjo primário, secundário, terciário e quaternário. Ligações que participam na estrutura tridimensional das proteínas. Colagénio – composição, níveis de organização estrutural e principais funções. Mioglobina - composição, níveis de organização estrutural e principais funções. Hemoglobina composição, níveis de organização estrutural e principais funções. Transição alostérea de Oxihemoglobiona em Desoxihemoglobina. Casos de toxicidade: Metahemoglobina.

Bioquímica Inorgânica. Algumas aplicações da Bioquímica inorgânica. Ação dos elementos inorgânicos na Vida: elementos essenciais, elementos tóxicos e elementos usados em terapia/diagnóstico. Biodistribuição dos elementos e compostos inorgânicos: Na, K, Cl, Ca, Mg, Mn, Zn, Ni, Fe, S, Se, Cu, Mo Co, fostatos, sulfatos e carbonatos. Ocorrência e interação com as biomoléculas. Elementos metálicos e não metálicos mais comuns das biomoléculas.

Biomoléculas com elementos inorgânicos na sua composição. Porfirinas e Cromoproteínas. Composição e estrutura das porfirinas. Classificação das cromoproteínas e o seu papel bioquímico. Classificação das metalobiomoléculas. Metaloproteínas: Proteínas transportadoras de oxigénio, de eletrões e metaloenzimas. Estruturas e propriedades das biomoléculas transportadoras de electrões. Citocromos. Papel dos elementos metálicos e não metálicos na função das proteínas

Nucleótidos. Pentoses, bases azotadas púricas e pirimídicas. Nucleósidos e nucleótidos. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos nucleótidos. Funções metabólicas dos nucleótidos. Estrutura dos ácidos nucleicos. Estrutura e tipos de ácidos nucleicos: DNA e RNA. Informação genética, evidências experimentais do DNA como material genético. Fluxo da informação genética, características do código genético.

Lípidos. Ácidos gordos. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos ácidos gordos. Reacções mais comuns dos ácidos gordos insaturados. Micelas e sabões. Alguns derivados dos ácidos gordos: prostaglandinas, tromboxanos e leucotrienos. Glicerolípidos. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos acilglicerois e fosfoacilglicerois.  Esfingolípidos. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos esfingolípidos.  Alguns esfingolípidos: esfingomielinas, cerebrósidos e gangliósidos. Lípidos poli-isoprénicos. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos lípidos isoprénicos. Esteróides. Estrutura, nomenclatura e propriedades dos compostos esteróides. Colesterol e ácidos biliares. Hormonas esteróides.

Líproproteínas plasmáticas. Principais tipos de lipoproteínas plasmáticas, caracterisiticas e funções.

Biomembranas. Composição química. Estrutura das biomembranas. Modelo do mosaico fluído. Distribuição e difusão de lípidos e proteínas. Componentes glucídicos. Processos de transporte através das biomembranas.

Energética bioquímica. Variações da energia livre de Gibbs nos processos bioquímicos. Acoplamento energético de reacções. Relação quantitativa entre DG e a Keq de uma reacção. Transferência de energia entre reações acopladas. Importância dos compostos com elevado potencial químico: ATP e outros. Ciclo energético nas células. Resolução de exercícios.

Processos redox em sistemas biológicos. Revisões sobre condutividade das soluções de eletrólitos. A célula galvânica e seu diagrama. Força eletromotriz. Potencial de elétrodo. Elétrodo padrão de hidrogénio. Relação quantitativa entre DG e o potencial de redução e entre Keq de uma reação e o potencial de redução. Diferença de potencial e espontaneidade das reações de célula. Equação de Nernst. A célula eletroquímica. Potencial eletroquímico. Algumas oxidações biológicas relevantes. Resolução de exercícios.

Enzimas e Catálise Enzimática. Enzimas. Funções metabólicas dos enzimas. Estrutura, propriedades e nomenclatura dos enzimas. Centro activo e centro alostéreo. Metaloenzimas: zinco, molibdnénio, cobalto, selénio e outros. Classificação dos enzimas. Classificação com base na solubilidade. Classificação internacional dos enzimas.

Cinética das reações bioquímicas. Conceito de velocidade da reação e ordem de reação. Energia de ativação e influência da temperatura. Papel dos catalisadores. Catálise enzimática. Velocidade inicial das reações enzimáticas. Influência da concentração em enzima e influência da concentração em substrato. O complexo enzima-substrato. Equação de Michaelis-Menten. Linearizações segundo Lineweaver-Burk, Hanes-Wölf, Eadie-Hofstee e Eisenthal-Cornish-Bowden. Influência de alguns agentes físicos e químicos sobre a velocidade das reacções enzimáticas: influência do pH, da temperatura e de produtos químicos.

Enzimas alostéreos. Efectores alostéreos. Mecanismo das reacções enzimáticas. Mecanismo de acção dos enzimas.

Co-factores: iões metálicos, grupos prostéticos e coenzimas.

Vitaminas. Modelos e modelação da actividade enzimática. Especificidade da ação enzimática. Especificidade ligada ao tipo de reação e ao substrato.

As principais vias metabólicas. Conceito e tipo de vias metabólicas. Compartimentação e inter-relação das vias metabólicas. Mecanismos de regulação das vias metabólicas. O papel do ATP nos processos metabolicos. Cadeias transportadoras de eletrões no mitocondrio e no cloroplasto. Fotofosforilação e fosforilação mitocondrial. Introdução ao metabolismo glucídico, lipídico e proteíco. Catabolismo de glúcidos, lípidos e proteínas. Descrição e caracterização geral das vias de metabolização de oses, ácidos gordos, aminoácidos e ácidos nucleicos. Fundamentos gerais da integração e regulação metabólicas.

 

II- Parte Prática

Apresentação da componente laboratorial. Os objetivos da componente laboratorial. As boas práticas do trabalho laboratorial. O relatório do trabalho laboratorial. Utilização do caderno de laboratório.

Glúcidos. Oses e Ósidos. Estrutura e propriedades físico-químicas. TP 1 – Resolução de exercícios de aplicação de glúcidos. Reacções colorimétricas características dos glúcidos. PL 1 – Análise de glúcidos por reações coradas. Identificação de cinco glúcidos (glucose, frutose, maltose, sacarose e amido) em solução por meio de reações coradas.

Aspectos quantitativos da ionização dos aminoácidos. Ionização dos aminoácidos e pH do meio. Ponto isoelétrico. Efeito tampão. TP 2 – Resolução de exercícios de aplicação de aminoácidos. PL 2 – Titulação potenciométrica de aminoácidos: alanina e ácido glutâmico. Análise de curvas de titulação. Determinação dos valores de  pKa e pI.

Eletroforese. Aspetos gerais. Eletroforese em papel e em gel. Aplicações analíticas. PL 3 –Separação eletroforética de aminoácidos. Separação dos aminoácidos de uma mistura por eléctroforese em papel em meio ácido e em meio básico. TP 3 - Resolução de exercícios de aplicação sobre separações eletroforética de biomoléculas.

Espetrometria de absorção molecular. Lei de Lambert-Beer. Espectrómetros. Espectrometria de absorção molecular UV/Vis. Aplicações analíticas. Resolução de exercícios.

Propriedades espectrométricas da Hemoglobina. PL 4 - Preparação de desoxi-hemoglobina e meta-hemoglobina a partir de oxi-hemoglobina. Avaliação dos espectros característicos das diferentes formas de hemoglobina.

Doseamento de proteínas. PL 5 - Doseamento espetrofotométrico da proteína total de um extrato vegetal.

TP 4 - Resolução de exercícios de aplicação sobre técnicas espetrométricas.

Alguns métodos separativos: centrifugação, ultrafiltração, diálise e cromatografia. Centrifugação. Conceitos gerais. Ultracentrifugação. Centrifugação analítica e centrifugação preparativa.

Diálise. Utilidade e aplicações. Efeito de Donnan e sua aplicação prática. PL 6 - Diálise de uma solução salina de caseína. TP 6 - Resolução de exercícios sobre diálise

Cromatografia. Conceitos e Aplicações analíticas em Bioquímica. PL 7 - Separação dos componentes de uma mistura por filtração gel. Separação de uma mistura de azul de dextrano, cromato de potássio e citocromo c por cromatografia em coluna. Determinação dos coeficientes de distribuição. PL 8 - Separação de lípidos por técnicas cromatográficas. Análise de misturas lipídicas por TLC. Cálculo do valor de Rf. TP 7 - Resolução de exercícios sobre técnicas cromatográficas

Termodinâmica e Termoquímica. Resolução de problemas para aplicação dos princípios da termodinâmica. Resolução de problemas sobre a Lei de Hess. Transferência de energia entre reações acopladas. Reacções Redox. Energética bioquímica. Acerto de reacções de oxidação-redução.  Relação quantitativa entre DG e Keq de uma reação. Relação quantitativa entre DG e potencial de redução. Relação quantitativa entre Keq e potencial de redução. Equação de Nernst. Concentração de iões e potencial elétrico. Problemas de aplicação. TP 8 - Resolução de exercícios de aplicação.

Cinética Enzimática. Equação de Michaelis-Menten. Problemas de aplicação. Equação de Lineweaver-Burk. Linearizações de Lineweaver-Burk e de Eisental-Cornish-Bowden. Resolução de problemas de aplicação.

PL 9 - Estudos cinético da polifenoloxidase. Fatores que influenciam as reações enzimáticas. Estudo do efeito da temperatura, pH, concentração de substrato e enzima e da presença de inibidores. Estudo dos parâmetros cinéticos. Determinação de V, Vmáx e KM da reação enzimática de conversão do catecol pela polifenoloxidase. Equação de Michaelis-Menten. Linearizações de Lineweaver-Burk e de Eisental-Cornish-Bowden. TP 9 - Resolução de exercícios de aplicação.

Bibliografia

Informação disponível do ano letivo 2014/2015

Campos, L. (2005). Entender a Bioquímica, 4ª edição. Escolar Editora, Lisboa.

Devlin, T.M. (1997). Textbook of Biochemistry with clinical correlations, 4th edition. Wiley-Liss Publication, New York.

Frausto da Silva, J. & Williams, R. (1997). The Biological Chemistry of the Elements. Clarendon Press, Oxford.

Holme, D.J. & Peck, H. (1998). Analytical Biochemistry, 3rd ed., Longman, United Kingdom.

Mathews, C. & Holde, K. (1990). Biochemistry. Benjamin-Cummings Publishing Company, Inc., Redwood City.

McKee, T & McKee, J. (2003). Biochemistry: The molecular Basis of Life, 3nd ed., McGraw-Hill, London.

Quintas A.; Freire, A. P. & Halpern, M. J. (2008). Bioquímica - Organização Molecular da Vida , Edições Lidel, Lisboa.

Rawn, J. (1983) Biochemistry. Harper Ed..New York.

Robyt, J.F. & White, B.J. (1990). Biochemical Tecniques – Theory and Practice, Waveland Press, Inc. United States of America.

Voet, D., Voet, J. G & Pratt, C.W. (2005). Fundamentals of Biochemistry, 2nd ed., John Wiley & Sons, Inc., New York.

Voet, D. & Voet, J. G (2004). Biochemistry. 3rd ed., John Wiley & Sons, Inc., New York.

Zeidan, M. (1996) Experimental Approaches in Biochemistry and Molecular Biology. Wm. C. Brown Publisher.Dubuque.

Zubay, G.L., Parson , W. & Vance, D (1995). Principles of Biochemistry. Wm. C. Brown Publishers, Dubuke.

Zubay, G.L. (1998). Biochemistry. 4th ed. Wm. C. Brown Publishers, Dubuke.

Métodos de Avaliação

Informação disponível do ano letivo 2014/2015

Avaliação e Classificação:

O sistema de avaliação está organizado de modo a ter em conta o trabalho realizado e o aproveitamento obtido nas várias componentes da disciplina: teórica, prática não laboratorial e prática laboratorial. A frequência dos alunos nas aulas teóricas, regulamentada segundo o Despacho nº 22/2012/ECT/EU e por indicação do Departamento de Química deve ser superior a 50% das aulas teóricas. As aulas práticas são obrigatórias e a sua frequência, de acordo com o Regulamento Escolar Interno (Ordem de Serviços 18/2012 de 23 de Agosto) terá que ser superior a 75% das aulas práticas, excepto para os alunos trabalhadores estudantes (inscritos esse estatuto).

A componente prática laboratorial será avaliada, numa escala de 0 a 20 valores, de uma forma contínua por integração dos resultados da avaliação quantitativa efectuada nas aulas, tendo em conta a assiduidade do aluno, a preparação prévia da aula, com elaboração do procedimento experimental (fluxograma) no caderno de laboratório, o desempenho observado durante a execução dos trabalhos, a elaboração atempada dos relatórios no caderno de laboratório, com tratamento e interpretação dos resultados obtidos. Será também considerada para avaliação a participação ativa dos alunos no trabalho laboratorial, bem como a capacidade de discutir os resultados e as conclusões dos trabalhos, durante a aula laboratorial. Para os alunos trabalhadores-estudantes que, de acordo com o seu estatuto, optarem por não frequentar as aulas laboratoriais, será considerada a modalidade de exame final prático laboratorial.

Na componente prática laboratorial será tida em conta a classificação obtida na avaliação contínua das aulas práticas laboratoriais e caderno de laboratório. Os alunos terão de ter nota mínima de 10 valores na componente prática laboratorial para se poderem submeter às restantes provas de avaliação. Os alunos que não obtiverem aprovação na componente laboratorial por avaliação contínua apenas poderão submeter-se a avaliação na época de recurso e, no caso de aprovação, terão que efetuar também um exame prático laboratorial.

As componentes teórica e prática não laboratorial serão avaliadas por escrito em duas modalidades optativas: frequência ou exame final. A modalidade optativa de frequência será avaliada através de 2 testes escritos, realizados em dois momentos diferentes no semestre. A nota mínima para aprovação à 2ª frequência é de 8 valores. Os alunos obterão aprovação se obtiverem, no mínimo, a média de 10 valores, nos dois testes escritos.

Na modalidade optativa de exame, para avaliação das componentes teórica e prática não laboratorial os alunos resolverão um exame escrito na época normal e/ou na época de recurso.

Para obter aprovação na Unidade Curricular os alunos terão que obter aprovação nas duas componentes, prática laboratorial e componente avaliada por provas escritas. Neste caso, a nota final será calculada, atendendo às seguintes ponderações: 20% da componente prática laboratorial e 80% da nota obtida nos testes escritos.

Poderá ser exigida a apresentação a exame oral aos alunos cuja nota da prova escrita, por exame, seja igual a 9 valores. Neste caso, a nota final será calculada tendo em conta a nota obtida em cada uma das componentes e a nota obtida no exame oral.

Serviço Docente

Informação disponível do ano lectivo 2014/2015

Informação Académica

Neste ponto é disponibilizada toda a informação relacionada com o percurso académico dos alunos da Universidade de Évora. Constitui uma forma rápida e simplificada de aceder a informação sobre candidaturas, matrículas e inscrições, propinas, taxas e emolumentos, regulamentos, calendário escolar, provas públicas, certificação e suplemento ao diploma, prémios e bolsas e ainda obter diversos tipos de formulários.

Candidaturas

A candidatura é o processo que permite a formalização da intenção de ingressar na Universidade, seja pelo Concurso Nacional de Acesso, pelos regimes especiais, pelos concursos especiais de acesso com curso médio ou superior e Maiores de 23 Anos, por transferência, por mudança de curso ou reingresso.

Todas as candidaturas decorrem em prazos estabelecidos e divulgados anualmente e podem estar sujeitas a emolumentos que constam da Tabela de Emolumentos .

As candidaturas aceites e validadas implicam sempre uma decisão de colocação ou não colocação.

Matrículas e Inscrições

A matrícula  é um acto que se realiza apenas uma vez no percurso académico de cada estudante, no momento em que ingressa num curso/ciclo de estudos, formalizando o vínculo à Universidade de Évora. Através deste acto é-lhe atribuído o estatuto de aluno.

A inscrição  é o ato que faculta ao aluno, com matrícula válida na Universidade de Évora, a frequência das diversas unidades curriculares e ciclos de estudo. Nenhum aluno poderá, a qualquer título, frequentar ou ser avaliado numa unidade unidade curricular, sem nela estar inscrito.

Estudantes externos

Candidatura a inscrição em unidades curriculares isoladas

Um dos objetivos principais do Espaço Europeu de Ensino Superior é a criação de uma Europa do conhecimento em que a intervenção das Instituições de Ensino Superior seja determinante para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, com consequente reforço da coesão social. Para atingir este objetivo, as Instituições de Ensino Superior têm um papel importante quer na atribuição de graus académicos 'convencionais' quer na criação de cursos próprios direcionados para o meio em que se inserem e capazes de contribuir para uma efetiva formação contínua dos cidadãos para a reciclagem de profissionais, a modernização e atualização dos seus próprios alunos e ex-alunos e ainda a difusão cultural e científica.

O Estatuto de Estudante Externo é regulado pela Ordem de Serviço n.º 3/2014 .

A candidatura para inscrição em unidades curriculares isoladas só poderá ser realizada on-line .

Pode candidatar-se para inscrição em unidades curriculares isoladas de  cursos de 1º Ciclo e Mestrado Integrado  qualquer cidadão que reúne um dos seguintes requisitos:

  • maiores de 18 anos independentemente das habilitações literárias  de  que sejam titulares
  • titulares de um certificado de  habilitação não inferior ao ensino secundário

Pode candidatar-se para inscrição em unidades curriculares isoladas de 2º e 3º ciclos , os candidatos que reúnem um dos seguintes requisitos:

  • Titulares de um certificado de habilitações de licenciatura ou do título de mestre, no caso de candidatura a unidades curriculares de 3º ciclo
  • Detentores de um curriculum considerado adequado e reconhecido pelo Conselho Científico da Unidade Orgânica respetiva

Prazo de candidatura (todos os ciclos) ano letivo 2014/2015:

  • de 25 de Agosto a 5 de setembro  de 2014  - em unidades curriculares de semestre ímpar ou anuais
  • de 2 a 13 de fevereiro de 2015  - em unidades curriculares de semestre par

INSCRIÇÃO

A inscrição em unidades curriculares isoladas está sujeita ao pagamento das seguintes propinas, de acordo com Despacho de Fixação de Propinas para o ano letivo 2014/15 (Despacho nº82/2014 ).

  • Inscrição em unidades curriculares isoladas de 1º ciclo e MI:  25,00€/ECTS
  • Inscrição em unidades curriculares isoladas de 2º ciclo:  30,00€/ECTS
  • Inscrição em unidades curriculares isoladas de 3º ciclo:  37,50€/ECTS

Critérios de Seriação para a inscrição nas unidades curriculares isoladas, com vagas:

Escola de Ciências e Tecnologia

Escola de Enfermagem São João de Deus

Pela aprovação nas unidades curriculares isoladas o estudante terá direito a um certificado de aprovação.

Consulte as Instruções para efetuar a candidatura on-line

Propinas e Emolumentos

Pela matrícula/inscrição em ciclos de estudos conducentes ao grau de Licenciado, Mestre ou Doutor, bem como cursos não conferentes de grau, é devida uma taxa de frequência designada propina, sem prejuízo de outras taxas aplicáveis, de acordo com o estipulado na   Lei n.º 37/2003   , de 22 de Agosto e o Regulamento de Propinas da Universidade de Évora

Os atos académicos e administrativos podem estar sujeitos ao pagamento de emolumentos. Os valores são atualizados anualmente à taxa de inflação do ano civil anterior, sendo a tabela de emolumentos disponibilizada no portal estudar.

O pagamento de propina é obrigatório para todos os estudantes de cursos, independentemente da sua eventual condição de bolseiros (art.º 20.° da Lei n.º 37/2003 de 22 de Agosto).

O valor das propinas é independente do número do número de unidades curriculares em que o estudante se encontre inscrito e do número de ECTS obtido em creditação

Creditação

Para efeitos do disposto na Ordem de Serviço nº14/2014  entende-se por:

"Creditação de formação ", a creditação atribuída à:

a) formação realizada no âmbito do sistema de ensino superior português ou estrangeiro (formação académica), em:

  • Ciclos de estudo
  • Cursos não conferentes de grau
  • Cursos de Especilização Tecnológica
  • Unidades curriculares isoladas

b)   Outras formações realizadas fora do âmbito do ensino superior

"Creditação de experiência profissional ", a creditação atribuída pela experiência desempenho profissional ou científica.

A creditação traduz-se na atribuição e ECTS para efeitos de frequência de um curso e obtenção do correspondente grau na Universidade de Évora. No caso de mudanças de curso ou transferências e de anulação de matrícula a crediatção obtida é inválida.

Certificação

Todos os pedidos , quando devidamente instruídos, poderão ser digitalizados (formato PDF preferencialmente) e enviados por e-mail  

Quando houver lugar a algum pagamento, será disponibilizada no SIIUE , na sequência do pedido, uma referência para que seja possível o pagamento por MultiBanco / Homebanking  

Como fazer o pagamento?  

  • Todos os alunos com pagamentos a fazer deverão aceder ao SIIUE / Menu Aluno / Valores em Pagamento para obter a Referência para Pagamento no MB / Homebanking

Após o pagamento o aluno deverá remeter, pela mesma via, o comprovativo de pagamento para que seja dado seguimento imediato ao pedido

NOTA: NÃO É PERMITIDO O PAGAMENTO POR VALE DE CORREIO OU TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA

Dissertações de Mestrado

O ciclo de estudos conducente ao grau de mestre contempla para além da parte curricular do mestrado, denominada curso de mestrado, uma dissertação de natureza científica ou um trabalho projeto, originais e especialmente realizados para este fim, podendo ainda consistir num estágio de natureza profissional objeto de relatório final. A possibilidade de elaboração de dissertação, estágio ou trabalho projeto está definido no plano de estudos do respetivo Mestrado.

Teses de Doutoramento

Para obtenção do grau de doutor, todos os estudantes têm de ter aprovação nas provas públicas de defesa da uma tese original e especialmente elaborada para este fim, adequada à natureza do ramo de conhecimento ou da especialidade.

Em alternativa, em condições de exigência equivalentes e tendo igualmente em consideração a natureza do ramo de conhecimento ou da especialidade, a tese pode assumir o formato de:

  • Compilação, devidamente enquadrada, de um conjunto coerente e relevante de trabalhos de investigação já objeto de publicação em revistas com comités de seleção de reconhecido mérito internacional, realizados no contexto do ciclo de estudos conducente ao grau de doutor.
  • No domínio das artes, por uma obra ou conjunto de obras ou realizações com carácter inovador, realizados no contexto do ciclo de estudos conducente ao grau de doutor, acompanhada de fundamentação escrita que explicite o processo de conceção e elaboração, demonstre a capacidade de investigação, e o seu enquadramento na evolução do conhecimento no domínio em que se insere.

Provas de Agregação

De acordo com a Circular n.º 2/2009  , até serem aprovados novos regulamentos em conformidade com a nova orgânica da Universidade de Évora, os procedimentos académicos da provas de Doutoramento pautam-se pelo MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA AS PROVAS DE AGREGAÇÃO

Minuta de Requerimento de Admissão a Provas de Agregação

Legislação

Bolsas e Prémios

A Universidade de Évora procura incentivar e valorizar o mérito e a excelência dos seus alunos, atribuindo anualmente diversas bolsas e prémios aos alunos que se distinguem no seu aproveitamento.

Resultados das bolsas de mérito relativamente ao aproveitamento em 2011/13

Na sequência da atribuição à Universidade de Évora de 16 bolsas de Estudo por Mérito, relativamente ao aproveitamento no ano letivo 2011/12, nos termos do ponto 2. do artº 4º da Ordem de Serviço nº17/2010 – Regulamento de Atribuição das Bolsas de Estudo por Mérito, divulgam-se os resultados homologados a 22 de dezembro de 2014, das candidtauras efetuadas no âmbito do referido regulamento:

Reconhecimento de Graus Académicos Superiores Estrangeiros

Estes conteúdos são da responsabilidade do GAE

gae@uevora.pt

Contactos

Telefone:

266 760220

Morada:

Rua Duques de Cadaval (ao lado do Centro de Emprego)

7000 Évora

Mail:

Direção de Serviços

Alexandra Fernandes  - Diretora de Serviços

Dulce Caldeira  - Assessoria

Gabinete de Apoio

Contacto Geral

Equipa:

Divisão de Estudos Pós-Graduados

Contacto Geral

Equipa:

Beatriz Castor  - Coordenadora

Secção de Matrículas e Inscrições

Contacto Geral

Equipa:

Florbela Vaz  - Coordenadora

Secção de Registo e Certificação Escolar

Contacto Geral

Equipa:

Minervina Carvalho  - Coordenadora

Setor de Atendimento e Promoção da Qualidade

Contacto Geral

Equipa:

António Branco  - Coordenador

Tesouraria

Contacto Geral

Equipa:

Horário de Atendimento

O horário de atendimento presencial nos Serviços Académicos é:

Sector de Atendimento e Promoção da Qualidade (Cursos de 1.º Ciclo e Mestrado Integrado) - das 9h às 16h

Sector de Pós-Graduações (2.º Ciclo, 3.º Ciclo, Pós-Licenciaturas, Pós-Graduações) - das 9h às 13h30m

O horário de atendimento telefónico nos Serviços Académicos é:

Sector de Atendimento e Promoção da Qualidade (Cursos de 1.º Ciclo e Mestrado Integrado) - das 9h às 16h

Sector de Pós-Graduações (2.º Ciclo, 3.º Ciclo, Pós-Licenciaturas, Pós-Graduações) - das 9h às 13h30m

Processo de Bolonha

De acordo com o disposto no Artigo 66º do Decreto Lei nº 107/2008 de 25 de Junho  cabe às Instituições de Ensino Superior a realização de um relatório anual sobre a concretização dos objetivos do Processo de Bolonha. O relatório deverá considerar as mudanças pedagógicas operadas, a evolução do peso das várias componentes do trabalho do estudante, as medidas de apoio à promoção do sucesso escolar, as ações de apoio ao desenvolvimento de competências extracurriculares e as medidas de estímulo à inserção na vida ativa.

Relatórios de implementação do Processo de Bolonha:

Impressos e Legislação

Numa estratégia de agilização dos procedimentos administrativos, que permita um melhor e mais rápido atendimento aos utentes, procedemos à disponibilização electrónica dos formulários e impressos para requisição de certidões, de comprovativos ou de candidatura.

A consulta da legislação, em particular, dos documentos internos publicados na UE, é de suma importância para toda a comunidade académica. Antes de qualquer ato, consulte atentamente a LEI / REGULAMENTO correspondente.

Requerimentos Eletrónicos

Como forma de agilizar e simplificar o contacto entre os alunos e a Universidade de Évora, procedemos à disponibilização eletrónica dos “Requerimentos Genéricos” possibilitando assim que os alunos de todos os ciclos de estudos possam fazer on-line requerimentos relacionados com os seus processos académicos.

Para tal deve aceder ao GESDOC com o seu login e password, e escolher a opção “Novo Requerimento”.

Newsletter

Os Serviços Académicos editam trimestralmente uma newsletter .

Mobilidade e Relações Internacionais

A Mobilidade é uma constante nas novas políticas do Ensino Superior, reporta a um sinónimo de Progresso, inovação, criatividade e competitividade.

O seu objetivo primordial passa pelo alargamento dos horizontes, retirando as fronteiras e barreiras para uma educação global, tanto no contexto Nacional como Internacional, criando uma diversidade cultural, baseada na troca de valores, conhecimentos e experiências, levando à emergência de pessoal altamente qualificado.

A Divisão de Mobilidade e Relações Internacionais, gere os Programas de Mobilidade entre outras funções, permitindo a alunos, docentes, diplomados e funcionários, uma abertura de horizontes no contexto educacional e profissional.

ERASMUS - Intensive Programme

Programas

A nova Política do Ensino Superior, aposta também na mobilidade de alunos como sinónimo de evolução, competitividade e progresso. Os alunos ao efectuarem um período de mobilidade, alargam o seus horizontes, valorizando a sua formação com uma dimensão Nacional e Internacional.

Carta ERASMUS

O estatuto de estudante Erasmus é aplicável aos estudantes que satisfaçam os critérios de elegibilidade no âmbito do Erasmus e que tenham sido seleccionados pela respectiva universidade* para efectuarem um período de estudos Erasmus no
 estrangeiro, numa universidade parceira europeia. As duas universidades devem dispôr da Carta Universitária Erasmus, conferida pela Comissão Europeia.

* «Universidade», qualquer estabelecimento de ensino superior, segundo a legislação ou práticas nacionais, que confira qualificações ou títulos deste nível, independentemente da respectiva denominação nos países participantes.

The Erasmus University Charter (EUC) provides the general framework for the European co-operation activities a higher education institution (HEI) may carry out within the Erasmus programme. It is a prerequisite for HEI to organise student mobility and teaching and other staff mobility, to carry out Erasmus intensive language courses and intensive programmes, and to apply for multilateral projects, networks, accompanying measures and to organise preparatory visits.

LEADER

Erasmus Charter for Higher Education (ECHE)

Estudantes Incoming

Em atualização

Gabinete de Apoio aos Alunos CPLP

Gabinete de Apoio aos Alunos Estrangeiros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa da Universidade de Évora

A integração no ensino superior é um processo multifacetado, constituindo igualmente uma variável central no sucesso académico e, consequentemente, do abandono ou permanência no sistema. As dificuldades de adaptação a um novo sistema de ensino são comuns a todos os estudantes, independentemente do país ou da instituição de ensino onde estes alunos se inserem. Considerando que são acrescidas as dificuldades de integração de alunos estrangeiros, em particular ao nível social, cultural e linguístico, foi criado no âmbito das competências da Divisão de Mobilidade e Relações Internacionais (DMRI) da Universidade de Évora, o Gabinete de Apoio aos Alunos Estrangeiros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que se rege pelo presente regulamento.

O objetivo deste gabinete é proporcionar a inserção na vida académica e social do estudante e simultaneamente apoiar na adaptação dos alunos estrangeiros abrangidos por este regulamento à cultura local, de forma a minimizar as diversas dificuldades que surjam a nível pessoal, social e académico.

Para beneficiar deste apoio, o aluno deverá estabelecer o primeiro contato através do seguinte endereço de correio eletrónico: gaacplp@uevora.pt  após o qual lhe serão dadas mais informações.

Consulte o Regulamento do Gabinete de Apoio aos Alunos Estrangeiros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa da Universidade de Évora
(Ordem de Serviço n.º 17/2012):

    Publicado a: 19-09-2012 12:09

Cooperação Internacional

A Universidade de Évora mantém a sua cooperação com Instituições Internacionais, através da criação de Acordos e Protocolos. Estes Acordos/Protocolos permitem o intercâmbio de alunos, docentes e funcionários, permitindo uma troca de saberes, experiências e culturas contribuindo para a Internacionalização.

Acordos bilaterais | Listagens do Programa Erasmus | Protocolos

Docentes

A mobilidade de docentes é um vector fundamental para o processo de internacionalização das instituições de ensino superior, promovendo a dimensão europeia e a qualidade do ensino ministrado, estabelecendo elos de ligação entre instituições de ensino superior de diferentes países e proporcionando uma oportunidade de valorização pessoal e profissional dos docentes.

Funcionários

A mobilidade de funcionários não docentes entre instituições europeias de ensino superior e empresas é um factor importante no processo de internacionalização da Universidade, permitindo a aquisição de conhecimentos ou saberes especializados a partir de experiências e boas práticas no estrangeiro, bem como de competências práticas relevantes para o desempenho das suas funções e para o desenvolvimento profissional, por outro lado ajuda a construir a cooperação entre instituições de ensino superior e empresas.

Centros de Informação

A Universidade de Évora, através da sua Divisão de Mobilidade e Relações Internacionais tem os Centros de Informação, Centro Regional Fulbright e o Centro de Mobilidade Euraxess.

Divulgações

Espaço dedicado à divulgação de Notícias, Informações, Avisos, Procura de Parceiros, oportunidades de Bolsas e Estágios Internacionais.

Centros Internacionais de Idiomas

Contactos

Divisão de Mobilidade e Relações Internacionais

Informação da Equipa

Edifício Santo Agostinho
Rua Duques de Cadaval, apartado 94, 7002-554 Évora
Email : dmri@uevora.pt
Telefone : (+351) 266 760 242

Apoio ao Estudante

E porque ser estudante universitário não se resume à frequência das aulas e à realização de provas de avaliação, a Universidade de Évora encontra-se dotada com um conjunto de estruturas que apoiam o aluno na sua vida académica e sócio cultural.

Provedor do Estudante

A Universidade de Évora tem um Provedor do Estudante, entidade independente e em regime de exclusividade, que tem por função a defesa e a promoção dos direitos e legítimos interesses dos Estudantes.

É designado pelo Conselho Geral e o seu mandato tem a duração de 4 anos.

(Artigo 7.º do Estatutos da Universidade de Évora – Despacho normativo n.º 10/2014, de 5 de agosto)

 

CONTACTOS:

Professor Diogo Figueiredo

Professor Diogo Figueiredo
provedorestudante@uevora.pt

Formulário de contacto

Apoio Social

Os Serviços de Ação Social da Universidade de Évora (SAS) são um organismo de apoio aos estudantes que frequentam a Universidade de Évora, com o objetivo de promover a política de Ação Social Escolar definida no âmbito do Ensino Superior, que lhes permite conceder apoios sociais diretos aos estudantes socialmente desfavorecidos, deslocados ou portadores de deficiência e indiretos a todos os estudantes.

O apoio social direto efetiva-se com a atribuição de bolsas de estudo e auxílios de emergência concedido aos estudantes que não disponham de um nível mínimo adequado de recursos financeiros, sendo constituído por uma prestação pecuniária para comparticipação nos encargos com a frequência de um curso ou a realização de um estágio profissional de carácter obrigatório, atribuída a fundo perdido e no respetivo ano letivo.

A atribuição destas bolsas visa promover a igualdade de oportunidades no sucesso escolar.

Os SASUE prestam ainda apoio indireto aos alunos da Universidade de Évora através do acesso ao serviço de alojamento, ao serviço de alimentação, serviços de saúde e serviços de lavandaria.

Bolsas de Estudo

As bolsas de estudo atribuídas são cofinanciadas pelo Estado Português e pelo Fundo Social Europeu, no âmbito de programa operacional criado para o efeito com a referência POPH/QREN - Tipologia de Intervenção 4.3 - Bolsas e programas para estudantes do Ensino Superior, do Eixo 4 - Formação Avançada, do Programa Operacional Potencial Humano.

Os SASUE aderiram, no ano letivo 2010/2011, ao sistema da plataforma eletrónica de gestão das bolsas da Direção Geral de Ensino Superior (DGES), na sequência de um protocolo de colaboração celebrado entre a DGES e a UE, sendo a análise dos processos de candidatura efetuada segundo o regulamento aprovado pelo Ministério da tutela.

As candidaturas a bolsas de estudo são efetuadas online no site www.dges.mctes.pt  em datas aprovadas pelo Ministério do Ensino e Ciência, sendo que para os estudantes candidatos ao ensino superior através do regime geral de acesso o prazo decorre em simultâneo com a candidatura ao concurso geral de acesso .

As bolsas de estudo atribuídas pelos SASUE são pagas diretamente pela DGES.

Todas as notificações e comunicações são efetuadas por via eletrónica para o endereço indicado pelo estudante na candidatura. Os pagamentos são efetuados por transferência bancária e avisados por mensagem sempre que o bolseiro faculte à DGES o seu contacto móvel.
A bolsa de estudo anual corresponde, normalmente, a um ano letivo completo e compreende dez prestações mensais. Cursos de duração diferente implicam um número de prestações igual ao número de meses de frequência do curso.
Na página pessoal (em DGES - Direção Geral de Ensino Superior), o aluno pode consultar todos os pagamentos que são efetuados, o nº de meses, o montante transferido e o NIB para o qual foi efetuada a transferência e, ainda, atualizar alguns dados pessoais.

Os SASUE mantêm disponível no seu sítio da Internet www.sas.uevora.pt  toda a informação atualizada sobre as candidaturas a bolsa de estudo, bem como a legislação em vigor.

Este ano a Universidade de Évora disponibilizará o Fundo de Apoio Social aos Estudantes da Universidade de Évora (FASE-UÉ), destinado a alunos candidatos à Bolsa do Estado e não contemplados e aos alunos que, pelos motivos regulamentares, não se podem candidatar à Bolsa do Estado. O regulamento e outras informações sobre o FASE-UÉ encontram-se na página dos SASUE .

Consulte ainda a informação "Bolsas e Prémios ".

Alimentação

Uma das preocupações dos Serviços de Ação Social no âmbito da alimentação é a de fomentar, quer a qualidade, quer a diversidade, na oferta apresentada aos estudantes. Assim, têm sido vários os esforços desenvolvidos neste âmbito. Os SASUE são apoiados por uma empresa de Qualidade Alimentar, que elabora criteriosamente as ementas, garante a qualidade dos géneros utilizados e o cumprimento da legislação de HACCP tendo em vista a futura certificação de qualidade do Refeitório.
A oferta alimentar inclui, para além das 3 opções do Refeitório Verney (prato principal, dieta e opção vegetariana), o prato do dia do Snack-Bar Verney, toda a oferta do Bar Verney e também a ementa do Restaurante Cozinha do Cardeal, no Colégio Espírito Santo. Estas ementas encontram-se disponíveis no site dos SASUE .
A Universidade de Évora dispõe ainda de outras unidades de alimentação que se encontram concessionadas e que para além do serviço de bar oferecem um serviço de refeições sociais e outras: Bar e Refeitório da Mitra, Bar Escola Superior de Enfermagem, Bar do Colégio dos Leões, Bar do Colégio Pedro da Fonseca, Bar do Colégio Mateus d’Aranda. A aquisição das senhas de refeição poderá ser efetuada em máquinas próprias para o efeito que se localizam no Colégio do Espírito Santo, no Colégio Luís Verney, no Colégio Pedro da Fonseca, no Colégio dos Leões e no Refeitório da Mitra.
As senhas têm o preço unitário de 2,40€/refeição (valor sujeito a retificação ). Poderá ainda adquirir a senha no próprio dia com um acréscimo de 0,30 €/refeição.
As senhas para refeição vegetariana são vendidas a 2,60€/refeição (valor sujeito a retificação ), quando adquiridas no próprio dia são vendidas a 2,90€/refeição.

Alojamento

Alojamento em Residências Universitárias

As residências universitárias dos Serviços de Ação Social da Universidade de Évora destinam-se a alojamento de estudantes matriculados no ensino superior que frequentam a Universidade de Évora, tendo como prioridade no acesso ao alojamento os alunos bolseiros dos SASUE.

As residências universitárias devem proporcionar aos estudantes alojados condições de estudo e bem estar para facilitar a integração no meio académico e com vista ao seu sucesso escolar.

No âmbito de protocolos existentes nomeadamente no Programa de Mobilidade de Estudante, são reservado o número de camas indispensáveis para os respectivos estudantes estrangeiros.

A Divisão de alojamento reúne 7 residências universitárias com a capacidade para acondicionar 528 estudantes.

As várias residências encontram-se dispersas pela cidade, todas elas têm acesso fácil e relativamente rápido aos edifícios que compõem a universidade.

Todas as residências universitárias dispõem de salas de estudo, convívio e cozinhas devidamente equipadas, roupa de cama e atoalhados e acesso a rede wireless , serviços como limpeza de cozinhas e espaços comuns, lavandaria geral. 

Alojamento Privado

Uma vez que o número de vagas nas residências universitárias é limitado, existe a possibilidade de arrendar um quarto numa casa de família, ou um apartamento/casa mobilada que o estudante poderá compartilhar com colegas. O preço varia, de acordo com o número de quartos, localização e diversas condições de arrendamento.
A procura deste tipo de alojamento dependerá exclusivamente do estudante. De forma a facilitar essa procura, a Associação Académica da Universidade de Évora  faculta uma lista de alojamentos disponíveis.

Ofertas de alojamentos podem também ser consultadas no jornal online da Universidade de Évora, em Classificados .

Trabalhador-Estudante

Considera-se trabalhador-estudante  o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento em instituição de ensino, ou ainda curso de formação profissional ou programa de ocupação temporária de jovens com duração igual ou superior a seis meses.

A manutenção do estatuto de trabalhador-estudante depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior.

Os trabalhadores-estudantes da Universidade de Évora são definidos e regidos pela legislação existente.

O estatuto de trabalhador-estudante deve ser requerimento anualmente junto dos Serviços Académicos.

Requerimento do Estatuto de Trabalhador-Estudante:

Para requerer o estatuto trabalhador-estudante é necessário entregar. em cada ano letivo, os seguintes documentos:

  • Entrega de documento comprovativo de inscrição na Segurança Social (para o Setor Privado)
  • Entrega de documento autenticado das Instituições Públicas, onde consta o número de inscrição na Caixa Geral de Aposentações (para o Setor Público)
  • Entrega de declaração atualizada da entidade patrocinadora do curso ou programa, assinada e devidamente autenticada com carimbo ou assinatura reconhecida, que explicite uma duração mínima de 6 meses, para os estudantes que se encontrem a frequentar curso de formação profissional a tempo inteiro ou com duração igual ou superior a 6 meses.
  • O estatuto do trabalhador-estudante em situação de desemprego involuntário deve ser comprovado através de documento emitido pelo Centro de Emprego.

Legislação aplicável

Tutorias de Acompanhamento

O projeto desenvolvido pelo Gabinete para a Promoção do Sucesso Académico (GPSA), tem como missão realizar o enquadramento institucional dos estudantes que ingressam na Universidade (1º ano) facilitando o seu processo de adaptação e o desenvolvimento de competências de estudo e de aprendizagem com vista a promover o sucesso académico. A transição do ensino secundário para o ensino superior coloca alguns problemas que, preventivamente, a Universidade pretende prevenir. Assim cada estudante que ingresse na Universidade de Évora poderá usufruir de dois tipos de suporte:

  • Programa de tutoria de acompanhamento pelos docentes. A cada estudante é atribuído um Tutor (docente da Universidade) que o acompanha pelo menos durante o primeiro ano de frequência no seu curso.
  • Tutoria por pares que se configura na aplicação de um programa de desenvolvimento de competências pessoais e académicas. O programa decorre durante o primeiro semestre letivo e todos os estudantes se podem inscrever para o realizar.

Brochuras informativas :

Os programas de tutoria são coordenados pelo Gabinete para a Promoção do Sucesso Académico  (GPSA)
Contacto: gpsa@uevora.pt

Necessidades Educativas Especiais

O apoio promovido pelo Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) aos alunos com Necessidades Educativas Especiais (NEE) da Universidade de Évora tem como finalidade reconhecer às pessoas com NEE a igualdade de direitos em termos de eficácia equitativa, para que possam integrar-se e participar em todas as esferas da sociedade, incluindo a  educacional, social, económica, cultural, desportiva, recreativa e política. Consideram-se estudantes com NEE’s aqueles que, por exibirem determinadas condições específicas, podem necessitar de um conjunto de recursos educativos particulares, durante todo ou parte do seu percurso escolar, de forma a facilitar o seu desenvolvimento académico, pessoal e sócio-emocional.

Conhecer e Viver a UÉ

A Universidade de Évora é uma instituição de ensino superior público universitário, cujas origens remontam a 1559. Tendo sido encerrada no século XVIII, a Universidade reabre novamente em 1973. Atualmente está organizada em departamentos, agrupados em escolas, relacionadas com domínios científicos específicos:

  • Escola de Artes
  • Escola de Ciências e Tecnologia
  • Escola de Ciências Sociais
  • Escola Superior de Enfermagem São João de Deus

Integrado na própria cidade, o campus universitário  compreende um conjunto de edifícios de grande valor patrimonial que testemunham diferentes períodos históricos. Fora da cidade, a Universidade estende-se ao Núcleo da Mitra, a 12 Km. Existem ainda duas herdades experimentais e várias unidades espalhadas por diferentes cidades do sul de Portugal, onde são desenvolvidas atividades de ensino e investigação.

A Universidade tem cerca de 5376 alunos inscritos em formação inicial, 2964 de Mestrado, 185 de Pós-graduação e de Pós-licenciatura e 870 de Doutoramento, aqui exercem funções 670 docentes (cerca de 70% são doutorados) e 401 funcionários não docentes.

O Dia da Universidade  é o dia 1 de novembro , retomando a tradição que remonta a 1559, ano da Fundação da Universidade de Évora. Esta data é tradicionalmente aproveitada para a cerimónia de abertura solene das aulas do ano letivo em que ocorre.

Ocupação de Estudantes a Tempo Parcial

Programas de Ocupação de Estudantes a Tempo Parcial

  • Preenchimento presencial de um formulário para inscrição na Bolsa, com informações pessoais e académicas dos alunos;
  • Seleção, Recrutamento e Contacto com os alunos, após pedido por parte das Estruturas e autorização superior, para o desempenho de funções temporárias e a meio tempo para estudantes, informando-os do valor a auferir, das datas, horários e estrutura onde vão desempenhar funções;
  • Após prestação do trabalho, envio de um Questionário às Estruturas, para preenchimento, com o objetivo de avaliar o desempenho dos alunos.

Para mais informações:

Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE)

Aida Serra Lobo
Sónia Matos
Universidade de Évora
Edifício Santo Agostinho
266 760 220
gae@uevora.pt

Seguro Escolar

O Aluno sinistrado:

  • 1º. Deve dirigir-se ao Hospital ou Extensão de Saúde mais próximo, a fim de receber cuidados médicos;
  • 2º. Deve dirigir-se (logo que lhe seja possível) ao Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) da Universidade de Évora, a fim de efetuar a comunicação do sinistro, através do preenchimento de uma Participação de Acidentes Pessoais (que lhe será facultada), onde serão descritas as circunstâncias em que o sinistro ocorreu (caso o aluno já possua, recibos de pagamentos efetuados, relativos ao sinistro, deverá fazer acompanhar-se dos mesmos).

O Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE) da Universidade de Évora:

  • Informa e Esclarece o aluno de todas as questões/dúvidas relativas ao Processo de Sinistro;
  • Encaminha a Participação de Acidentes Pessoais para a Companhia de Seguros para análise e posterior regularização do sinistro.

Coberturas/Capitais por pessoa segura

Coberturas

Capitais

Morte ou Invalidez Permanente

27.500€

Despesas de Tratamento

10.000€

Despesas de Repatriamento e Funeral

8.000€

Responsabilidade Civil e de Terceiros entre si

10.000€

Danos Materiais

2.000€

Para mais informações:

Gabinete de Apoio ao Estudante (GAE)

Aida Serra Lobo
Sónia Matos
Universidade de Évora
Edifício Santo Agostinho
266 760 220

gae@uevora.pt

Portal do Emprego

O Portal do Emprego da Universidade de Évora, integrado na rede internacional de portais de emprego Trabalhando, disponibiliza ofertas de emprego da comunidade "Trabalhando", ofertas exclusivas para membros da Universidade de Évora e inclui diferentes canais de informação, cuja gestão a seguir se determina, que privilegiam a divulgação de outras oportunidades e de atividades promovendo e o encontro entre a oferta e a procura de emprego, a Universidade, os seus diplomados e as empresas (entidades empregadoras).